A Diferença de Rafa

12 de Dezembro de 2016

Rafa não é um extremo igual aos outros no universo encarnado. E não é, porque, em rigor, não é... um extremo, um jogador mais tipicamente de faixa como Salvio e Cervi. Rafa é um avançado que, com centro de gravidade baixa, tem mais agilidade quando puxa o jogo (com a bola) para dentro do que quando faz uma verticalização pura em velocidade. Mesmo em contra-ataque.

Este tipo de jogadores de perfil mais “roda-baixa” tem alguma dificuldade em jogos de ataque continuado porque têm de jogar, entenda-se desequilibrar em termos de criatividade, em espaços mais curtos. Por isso, quando joga mais numa zona central, podem meter um lado mais temporizador no seu jogo e assim deixarem a vertigem da velocidade que tantas vezes devora quem joga/corre pelas faixas.

Por isso, penso que na evolução deste Benfica na maioria dos jogos deste campeonato frente a adversários mais fechados, este Rafa poderá jogar mais no centro, por zonas interiores, como espécie de segundo-avançado. O tal espaço entrelinhas (defesas e médios adversários).

O jogo com ele tem ritmos diferentes e todos altos. Mesmo quando... abranda.