Messi já tem dentro dele muito de… Xavi!

16 de Janeiro de 2016

Houve um tempo em que a Bola de Ouro não tinha discussão. Apenas o jogador. Agora, debate-se o troféu. Nunca como atualmente existiu uma bipolarização tão dominadora de dois craques. Messi e Ronaldo. O “barulho das luzes” em torno deles impede, porém, que vejamos, como no passado, o impacto que as suas qualidades e estilos provocavam no futebol na época em que vivem. Como fizemos para Di Stefano, Beckenbauer, Cruyff, Platini, Van Basten. Cada qual trazia uma mensagem de futebol que se tentava decifrar para entender o jogador e sua diferença no jogo, servindo depois de referência para o futuro.

É o que falta hoje. Não se discute verdadeiramente o que de novo Messi e Ronaldo trazem para o jogo. O que vão deixar nele depois de partirem dos relvados. Discute-se records, egos, balneário e tudo o que se move em torno deles sem ver, porém, as suas essências.

Pensemos só em Messi. Faz muitos golos sem ter a obsessão do golo no... jogo. Esse simples facto torna distinta a sua projeção no futuro que, mesmo sem “raio x”, já se vê hoje muitas vezes quando está em campo. Porque cada vez mais ele é mais “jogador” no sentido de ver primeiro a sua equipa e só depois a adversária. Uma simples diferença de “primeiro olhar” que faz com que também recue e procure o passe.

Nessa perspectiva, acho que o melhor elogio que lhe posso fazer neste momento não é dos golos ou fintas/jogadas (mesmo a que fez Boateng desaparecer num alçapão invisível). O melhor elogio que lhe faço é que hoje, vendo-o o jogar, já vejo também um pouco do que foi o jogo de... Xavi! Ou seja, ele já sabe vir pegar na bola/jogo em outras zonas, aquelas onde estava o baixinho mais inteligente de sempre a jogar o estilo-Barça. E... passar magicamente a bola

Por isso, Messi já joga no “seu futuro” porque tem dentro dele “outro tipo de jogadores”. Inclusive o aroma de Xavi (corpo e jogo).