A Raíz Que Faz Um “Nº8”

06 de Março de 2017

Bruno César na posição nº8 do 4x4x2 do Sporting dá uma coisa fundamental ao jogo: critério. O corredor central não tem, em geral, segredos para quem percebe as bases do jogo. As faixas, pensando ainda em Bruno César adaptado a lateral esquerdo, já são posições, na raiz, com responsabilidade defensiva de especialização posicional. As centrais são mais fáceis de adaptar, avançando ou recuando, se o jogador for culto nos fundamentos de jogo. Por isso, Bruno César resultou melhor nesse lugar (até na falta que fez em zonas alta a travar um contra-ataque) em relação a outras adaptações e permitiu a William voltar a pivot, caindo Palhinha do onze ao qual voltou, ao minuto 67, para jogar a 6, quando saiu Bruno César, passando William para nº8.

Foi a situação táctica mais difícil. Porque se melhora naturalmente na cobertura defensiva, com esta dupla de médios a equipa fica como um peso amarrados aos pés na saída de bola. A única posição por natureza e características em que William pode render a este nível é a pivot-defensivo. Falta-lhe o ritmo de um 8 com saída. Um vazio que mais destacou, então pela ausência, o anterior jogo de Bruno César.