Aprender… Técnica!

16 de Fevereiro de 2017

Que era um nº9 “fábrica de golos” já todos sabíamos. Que tinha, porém, traços técnicos dentro de si por descobrir é que é a revelação da época. Penso nas novas expressões de Lewandowski (que até inventou uma nova forma de marcar livres, quase fazendo uma paradinha antes de rematar em folha-seca).

Contra o Arsenal, a nova face do goleador do Bayern surgiu mais na forma dum toque de calcanhar que foi quase uma ironia porque, com ele, serviu para finalizar o médio pensador-construtor Thiago Alcântara, como que invertendo os papéis tácticos (e técnicos) de ambos em campo.

Um jogador pode, portanto, evoluir até ao fim da carreira. Imaginava Lewandowski um goleador incansável mas um “livro fechado” em termos de evolução de execução técnica. Puro engano. Nesta época até parece por vezes tratar a bola como uma porcelana. Acredito, nesta versão, que até no último treino da sua carreira ainda estará a prender coisas novas.