Base: ”Bola Descoberta”!

11 de Novembro de 2016

A chave da equipa “sempre equilibrada” é a velocidade do... reequilíbrio. Por isso, na escola holandesa os momentos de transições são equiparados a momentos de... desequilíbrio. Ou seja, em que a equipa está a passar de um momento para o outro. Ataque-defesa ou defesa-ataque.

Cada momento pede uma organização diferente. Na velocidade com que a equipa passa dum para o outro, sem perder o equilíbrio (ou perdendo-o no menor tempo possível) está a chave da tal “equipa equilibrada”. É impossível impedir que (por mais curto que seja) esse momento deixe de existir. Isso significaria deixar de haver transições no jogo. Impossível, porque os momentos em que uma equipa é obrigada a jogar são muito diferentes.

Mais importante é a noção de “jogar em 60 metros” que Nuno fala. Embora o principio seja tornar o “campo pequeno para defender” e tornar o “campo grande para atacar”, ele não deve nunca chocar com a noção de “bloco coeso”. É outra confusão que se faz na análise do jogo. Os elos de ligação nunca se devem perder. Jogar juntos não implicar jogar com os jogadores muito próximos uns dos outros, mas sim com linhas de passe entre eles abertas. É o segredo da “bola descoberta”!