Capaz de Tudo

24 de Março de 2017

É daqueles jogadores que nos fazem vibrar pelo que joga e nos faz o admirar pela forma como resolve cada jogada mesmo nos momentos mais difíceis, quando o resto da sua equipa já não funciona. Penso em Alexis Sanchez. E em como me custa sempre vê-lo jogar no Arsenal e no Chile. Parece que antes de jogar contra o adversário está, na maioria das vezes, a jogar contra a sua própria equipa (ou as suas insuficiências coletivas).

Não o vejo como um nº9 onde tantas vezes joga e anda demasiadas vezes longe da zonas de remate. O ideal seria jogar em torno de um nº9 mais clássico ou fixo. A partir da ala cai no jogo repetitivo das diagonais. Alexis tem de jogar com mais liberdade do que aquela que tem (ou lhe tiram) nas equipas onde joga. Por isso, grita tanto de raiva em cada golo que falha. Mesmo que seja depois de um livre em folha-seca que bate na barra quando tinha tudo para entrar e silenciar toda a Argentina. Craque em estado puro!