Em Busca de Si Próprio

17 de Fevereiro de 2017

A construção do Braga de Jorge Simão será sempre, esta época, uma ideia de jogo híbrida. Não se trata de avaliar o seu modelo, mas sim da constatação de dificilmente poder ganhar bases sólidas fruto da sua especificidade e introdução de novas peças (novos jogadores em posições chave no centro do jogo) que alteraram coordenadas anteriores.

A equipa está num limbo existencial. Por isso é que, no jogo, pode causar sensações tão opostas, desde parecer jogar bem e controlar, até perder o seu controlo, incapaz de pegar na construção.

Muitos viam-no  como um jogador “operário vulgar”, mas a lesão de Mauro tirou um pilar essencial de equilíbrio ao onze. Ainda está por ver Assis a entrar neste Braga que não tem um médio-centro ofensivo e, por isso, pede demais a Rui Fonte para baixar.

A troca dos laterais, Paulinho entrar logo no onze e Baiano passar para a esquerda, é questionável. No meio de tudo, há um jogador chegado agora que pode, jogando individualmente acima do dilema colectivo, resolver (ou disfarçar) muitos desses problemas em meras jogadas atacantes: Fede Cartabia. Vejam bem quando entrar.