DOMINGOS DA GUIA

16 de Junho de 2005

Ele inventou uma nova vida para os defesas centrais. Em vez dos cortes implacáveis, era um defesa que metia respeito, mas, encarnação de um jogo mais inglês, gostava de, ao contrário da maioria dos centrais que queriam logo afastar o perigo, sair a jogar, cabeça levntada, nariz empinsdo, quase em câmara lenta, quase arrepiando os adeptos com tanto desplante. O seu fisico impunha, no entanto, respeito por si próprio. De Domingos da Guia diz-se que não houve defesa central mais imponente em toda a história do futebol mundial. Por isso se dizia que “a este, a muralha da China, a oeste, Domingos da Guia”.

DOMINGOD DA AGUIATudo o que fazia em campo fazia com uma sobriedade e uma calma impressionantes. Parava a bola no peito, matava na coxa e colocava-o por coma da cabeça dos adversário indo buscá-la mais á frente. Eram as chamadas "Domingadas". Dizia que demorava a soltar a bola porque a amava tanto que custava muito ter de a ver partir dos seus pés.

Um caso de amizade sincera, expressa na declaração emocionada, transcrita do livro, Futebol a sol e sombra, de Eduardo Galeano:

“Está aqui, a bola, que me ajudou muito. Ela e as irmãs dela. São uma família a quem tenho uma gratidão enorme. Na minha passagem pela terra, ela foi a principal. Porque sem ela, ninguém joga. Eu comecei numa fábrica de Bangu. Trabalhando, trabalhando, até que encontrei resta minha amiga. E estive sempre muito feliz com ela a meu lado. Conheço o mundo inteiro, viajei muito, muitas mulheres. As mulheres também são uma coisa gostosa, ou não?”

CARREIRA

CLUBES ONDE JOGOU

  • Trayectoria Bangu, 1929 a 1932.
  • Nacional de Montevideo, 1932/33.
  • Vasco de Gama, 1933/34.
  • Boca Juniores, 1934/35.
  • Flamengo, 1935 a 1943.
  • Corinthians, 1943 a 1947.
  • Bangu, 1947/48.

TITULOS

  • Campeão uruguaio com Nacional Montevideo, 1933.
  • Campeão carioca no Vasco da Gama, 1934.
  • Campeão argentino no Boca Juniores, 1935.
  • 3 vezes Campeão carioca no Flamengo, 1939, 42 e 43.