GAZZA GASCOIGNE: CRAZY FOOTBALL EM ESTADO PURO

16 de Abril de 1998

Em Casino, Robert de Niro, dizia a certo ponto que há três maneiras de fazer as coisas: Bem, mal, ou como eu as faço. Em 1986, o escocês Pat Nevin era uma estrela no meio-campo do Chelsea quando foi jogar a Newcastle. No lado dos “geordies” alinhava uma jovem promessa que parecia jogar como se fosse o último jogo da sua vida. Dribles, sprints, tackles, tudo com virtuosismo e...picardia. Perto do final do jogo, junto á linha lateral, surgem ambos a discutir um lance dividido. A bola sobra para um outro jogador e de forma desnecessária aquele eléctrico young boy atinge Pat com uma cotevelada no nariz. Pouco depois o jogo termina e ele, como se nada tivesse passado dirige-se ao escocês dos blues e aperta-lhe a mão efusivamente dizendo “Well played”. Ainda hoje, ao recordar o episódio, Pat Nevin pergunta-se será que ele estava consciente que cinco minutos antes quase me mandava para o hospital?. O nome desse jovem que começou por causar-lhe admiração e confusão logo de seguida, era Paul Gascoigne. Uma sucessão de sentimentos que até hoje continua a marcar a carreira daquele que se tornou na maior estrela do futebol inglês depois de Bobby Charlton. Nem Keegan nos seus melhores tempos despertou a loucura que sempre viveu á volta de Gazza. E Nevin ficou conquistado por ele durante toda a sua carreira...

Pouco tempo depois Terry Venables convenceu os directores do Tottenham a contratar Gascoigne. Nos spurs, com exibições fabulosas, tudo parecia possível. Em 90 no Mundial de Itália, numa altura em que era para muitos o melhor jogador do torneio, viu na meia-final frente á Alemanha um segundo cartão amarelo que o impediria de jogar uma eventual final. Em pleno relvado do Olimpico de Roma, acto imediato, Gascoigne não conteve as lágrimas perante o espanto de Lineker que o tentava confortar. Finalmente a Inglaterra tinha um jogador capaz de tirar o fôlego a toda uma nação que tradicionalmente contêm as suas emoções. Com ele a “velha albion” exultou, sofreu, riu, chorou e descobriu que o futebol dos tempos modernos é paixão, génio, noite e dia, crespúsculo e alvorada, tudo ao mesmo tempo, durante noventa minutos.

GAZZA GASCOIGNE CRAZY FOOTBALL EM ESTADO PUROA Gazzamania tomava conta de Inglaterra. A personalidade de Gascoigne era uma fonte inesgotável de estórias. Em 91, em Wembley, antes de rumar para a Lazio, sofre uma grave lesão nos ligamentos cruzados. Um ano depois, quando começava a voltar a jogar, fractura num treino a tibia e o perónio. Demora muito tempo a recuperar e agrava a lesão a dançar numa discoteca de Roma, onde busca apagar a nostalgia pela sua Inglaterra e da música dos Pixies e Waterboys, afinal os mesmos sons das discotecas da capital italiana. O seu carisma criou-lhe o estilo, mas jogadores e homens com os traços de Gascoigne, ás vezes intratáveis e inacessíveis ao diálogo, seduzem desalinhados, mas desaparecem frequentemente por entre os ghetttos do seu temperamento indomável, com o condão de deslumbrar e provocar, mas nunca submisso. Quando jogam são poetas, mas num ápice tornam-se exterminadores, projecções de Dr.Jeckil e Mr.Hyde dentro de um relvado de futebol.

Em Glasgow e no solto sentido de humor escocês, por entre filas de cervejas, Gascoigne, Grouxo Marx do futebol, encontrou o seu habitat natural. Marca golos e ganha campeonatos, mas a sua estrela começava a apagar-se quando no mês passado, Brian Robson convida-o a ingressar no Middlesbrough para o ajudar a refazer uma forte equipa capaz de atacar a Premier League e porque só aqui ele poderá adquirir a forma para jogar no Mundial. Walter Smith, técnico do Rangers, deixa-o partir: Houve a tentação de o segurar, mas só se ele estivesse a jogar ao mesmo nivel de épocas anteriores é que não haveria nenhuma forma de o deixar sair. Queria ficar com ele, mas só na sua plena forma. Neste momento o seu joelho parece não aguentar as suas pernas, nem as suas pernas o resto do corpo. A magia do seu futebol dura cerca de meia hora. Mas se o seu fantástico golo á Escócia no Euro 96 foi das coisas mais perto da perfeição que alguma vez se viu durante um jogo de futebol, o que importa nesse momento se Gascoigne é bem ou mal comportado?

  • 1984/'85 Newcastle United (Eng1) 2 -0
  • 1985/'86 Newcastle United (Eng1) 31- 9
  • 1986/'87 Newcastle United (Eng1) 24 - 5
  • 1987/'88 Newcastle United (Eng1) 35 - 7
  • 1988/'89 Tottenham Hotspur (Eng1) 32 - 6
  • 1989/'90 Tottenham Hotspur (Eng1) 34 - 6
  • 1990/'91 Tottenham Hotspur (Eng1) 26- 7
  • 1991/'92 Tottenham Hotspur (Eng1) 0 -0
  • 1992/'93 Lazio (Ita1) 22- 4
  • 1993/'94 Lazio (Ita1) 17- 2
  • 1994/'95 Lazio (Ita1) 2 0- 0
  • 1995/'96 Glasgow Rangers (Sch1) 28- 14
  • 1996/'97 Glasgow Rangers (Sch1) 26 - 13
  • 1997/'98 Glasgow Rangers (Sch1) 20- 3 " /' " Middlesbrough
    (Eng2) 7 -0 0
  • 1998/'99 Middlesbrough (Eng1) 26- 3
  • 1999/2000 Middlesbrough (Eng1) 8 -1
  • 2000/2001 Everton (Eng1) 14 -0
  • 2001/2002 Everton (Eng1) 18 -1
  • 2003 Gansu Tianma (Chn2)