JOSÉ NASAZZI

16 de Junho de 2005

Em 1932, o futebol uruguaio torna-se, por fim, profissional, para tentar segurar no país as suas grandes estrelas que começavam a se faladas na Europa, onde há já algum tempo o dinheiro era íntimo do futebol. Depois das digressões, em 1925, pela Europa, e em 1927, pelo América do Norte e Central, os jogadores do Nacional são muito cobiçados. Um dos homens que participara nessas viagens emprestado pelo Club Bella Vista: José Nasazzi, o Gran Mariscal, um central intransponível, por quem, dizia-se nem sequer passava o raio x.

Para muitos foi o primeiro líbero da história do futebol mundial, só que naquela altura o termo ainda não fora inventado, pelo que era chamado de defesa-vassoura. Em 1933, ingressa por fim, com contrato assinado, no Nacional, tornando-se no primeira estrela da era do profissionalismo, integrando a famosa Máquina Branca que venceu os campeonatos de 33 e 34, contando com o a seu lado com o famoso defesa brasileiro Domingos da Guia. A sua aura de líder remontava aos tempos em que nas equipas praticamente não existia treinador e as ordens eram das pelos grandes jogador. Nenhum o fez como Nasazzi, campeão do mundo em 30. A equipa só obedecia aos seus gritos. Nunca ninguém lhe escutou uma queixa.

CARREIRA

  • 64 vezes internacional pelo Uruguai Club Lito, 1918 a 1922.
    Bella Vista, 1922 a 1933.
  • Nacional de Montevideo, 1933 a 1936

TITULOS

  • 2 Campeonatos uruguaios com o Nacional de Montevideo 1933 e 1934.
  • 4 Copa América, 1923, 1924, 1926 e 1935.
  • 2 vezes campeão olimpico com o Uruguai (París, 1924; Amsterdão, 1928.)
  • Campeão do Mundo: Uruguai 1930