EURO 2004: IBRAHIMOVICH (SUÉCIA)

25 de Junho de 2004

Ibrahimovich, golo de desenhos animados

Chamam-lhe um Romário com 1,92m. Tem um nome que revela as suas origens eslavas, mas é jogando em direcção a uma onda amarela que sente um real caçador de balizas: Zlatan Ibrahimovich. Com a camisola da Suécia, cabeça levantada, visão de pássaro que descobre o filo do horizonte, altivo, esguio e inesteticamente belo com a bola nos pés, instrumento de arte ao serviço de um gigante. Ao seu lado, joga o filho de um pescador de cabo verde, Larsson, mas mesmo não fazendo tantos golos como ele, Zlatan projecta outro futebol.

Um arranha-ceús de técnica e cultura táctica que, na hora em que toda a Itália se escondia dentro da área, tentando camuflar a sua baliza, inventou um golo de desenhos animados que nos fez arregalar os olhos de espanto: todo no ar, com Buffon mergulhado em cima dele, desencantou um toque de calcanhar, de costas para a baliza, que fez a bola levantar-se por cima da defesa italiana, sobrevoar Vieri, um ponta de lança a defender em cima da linha de golo, e aninhar-se no fundo das redes italianas. Imaginação, sorte, ousadia ou classe. Descubra a definição certa para um golo inverosímil como um “cartoon”.

Martin Petrov (Bulgária)

A nota mais positiva da selecção búlgara, um extremo esquerdo que parte em velocidade desde o meio campo, saltando adversários em corrida e que, depois, já na área, só perde a coordenação de movimentos quando é forçado a jogar com o pé direito. Se, em todas as jogadas, a bola ficasse sempre ao jeito da sua chuteira canhota seria dos mais fortes extremos do futebol europeu. É Martin Petrov, 25 anos, jogador do Wolfsburg.

Wilhemsson (Suécia)

Em muitos aspectos, tácticos e técnicos, a Suécia é uma das selecções mais sedutoras deste Euro-2004. Entre as suas maiores revelações, ao lado de outros valores já consagrados, destaque para um médio ala direito muito ofensivo, Wilhemson, 24 anos, jogador do Anderlecht, com grande profundidade de jogo pelo seu flanco, a rasgar em velocidade ou a procurar linhas de passe para o cruzamento. Tirou o lugar a Nilsson (que entretanto recuou para lateral-direito) e abriu o jogo sueco a toda a largura do terreno.

Rubbins (Letónia)

Surgindo neste Europeu quase como um pássaro exótico, a Letónia já ganhou um espaço próprio em termos de estilo de jogo. É uma equipa tendencialmente de contra-ataque, em 4x4x2, com um avançado muito rápido (Verpakovskis), verdadeiro quebra-cabeças, e outro mais pensador, que joga nos espaços vazios, Prohorenko. No flanco esquerdo do meio-campo, mora outra revelação: Rubbins, 25 anos, jogador do Shinnik Yaroslav. A sua forma veloz, coordenada e objectiva de correr pelo seu flanco, transportando a bola para o ataque, são preciosas no futebol moderno. Rápido e com visão de jogo, é um jogador que sabe levantar a cabeça no momento certo. A rever, no futuro, buscando confirmar a consistência exibicional.