Sistemas táticos do BRASILEIRÃO

21 de Dezembro de 2014

Os esquemas táticos utilizados no Brasil

Assim como demonstrado no meu último artigo, os times brasileiros, no Campeonato Brasileiro de 2014, apresentaram preferência para o 4-2-3-1 como esquema tático. Em números exatos, 14 equipes do Brasil utilizaram este esquema como esquema tático base. O time em destaque neste dado é o campeão brasileiro, Cruzeiro.
No 4-2-3-1 de Marcelo Oliveira, o quarteto ofensivo troca de posição constantemente, os laterais atacam alternadamente, o time defende de forma espaçada no 4-2-3-1, os wingers só marcam os laterais adversários, mas a intensidade é o que move a equipe toda. Todos os jogadores jogam em intensidade alta em todas as ações do jogo.

Sistemas táticos do BRASILEIRÃO

Flagrante do 4-2-3-1 do Cruzeiro em ação defensiva: a Raposa se defende de forma espaçada, mas é intensa em todas as ações do jogo. A campeã de dois títulos é o destaque do 4-2-3-1 no Brasil (Reprodução: ESPN Brasil).

Além do 4-2-3-1, outras seis equipes brasileiras apresentaram outros esquemas táticos como base no Brasileirão de 2014. Figueirense e Criciúma utilizaram por muito tempo o 4-3-1-2, Grêmio e Coritiba, o 4-3-3, e Flamengo e São Paulo usaram o 4-4-2. Destes times, o destaque fica para o Tricolor Paulista. Este time nas mãos de Muricy Ramalho, após a parada da Copa do Mundo no Brasil, deslanchou em campo.

O 4-4-2 sãopaulino priorizava o passe curto, atacava com laterais alternadamente, Kaká e Ganso partiam dos lados para armar pelo centro, o time apresentou rápida troca de ação de jogo e se defendia em curto espaço.

Sistemas táticos do BRASILEIRÃO1

Imagem do 4-4-2 do São Paulo na transição defensiva: na imagem, todos os jogadores do time estão em curto espaço e realizando rápida troca de ação de jogo para retomar a bola o mais rápido possível (Reprodução: Sportv/ PFC).

Além destes esquemas táticos base das equipes, ao longo do Campeonato Brasileiro de 2014, os times brasileiros também variaram para outros esquemas. Como novidade em terras verde-amarelas, o 4-4-2 foi utilizado com mais frequência e como segunda opção constantemente de oito equipes. Dentre estes times, o destaque fica para o Atlético-MG.

O Galo, em um período onde acumulou diversos jogadores lesionados e suspensos, utilizou o 4-4-2 como esquema tático. Neste tempo, o Atlético-MG de Levir Culpi apresentou constantes e diferentes movimentações do quarteto ofensivo, laterais atacando simultaneamente, dois volantes com boa saída de jogo, se defendia em curto espaço e apresentou alto volume ofensivo.

Sistemas táticos do BRASILEIRÃO2

No 4-4-2 como opção de esquema de jogo, o Atlético-MG viveu um período grandioso e conseguiu ser campeão da Copa do Brasil.

Diferentemente das oito equipes que utilizaram o 4-4-2 como esquema de opção, outros dez times usaram outros esquemas. São Paulo, Grêmio, Coritiba e Criciúma recorreram ao 4-2-3-1; Fluminense, Palmeiras e Bahia para o 4-3-1-2; e, por fim, Cruzeiro, Internacional e Flamengo ao 4-3-3. O destaque destes esquemas alternativos vai para o Fluminense, de Cristóvão Borges.
Este time carioca iniciou o Campeonato Brasileiro no 4-2-3-1 e priorizava o passe curto e curta compactação em todas as ações do jogo. Porém após as seguidas eliminações na Copa do Brasil e na Copa Sul-Americana, Cristóvão foi obrigado a colocar os seus dois atacantes entre os 11 iniciais: Fred (ex-Lyon) e Walter (ex-Porto). Com estes dois jogadores, o Fluminense optou pelo 4-3-1-2 que continuou a priorizar o passe curto e a curta compactação. Além destes aspectos táticos, a equipe pressionou desde as saídas de bola dos adversários e passou a jogar com alta intensidade defensiva.

Sistemas táticos do BRASILEIRÃO4

Imagem da linha defensiva e do losango do meio-de-campo do Fluminense no 4-3-1-2: neste esquema, o time carioca se reinventou no Brasileirão e conseguiu cinco vitórias em seis jogos (Reprodução: Rede Globo).