Jogar Sem “Partir Nada“

13 de Março de 2017

Existem bons jogadores e bons jogadores... inteligentes. São estes os que entram numa “casa táctica” que não é a sua e, mesmo sem conforto, sabem mexer-se “sem partir nada”. Foi a sensação que deu ver Bryan Ruiz adaptado em recurso por Jesus à posição 8 do seu 4x4x2 clássico.

Só a sua cultura táctica de perceber o “jogo todo” visto de qualquer lugar o permitiu jogar nessa posição para a qual tem características exatamente opostas às que Jesus procura para o nº8 do seu sistema com apenas dois médios puros.

Onde Jesus quer um jogador rotativo que conduza/carregue a equipa para a frente, queimando linhas para receber mais à frente (o “8 livre) e ligar meio-campo com ataque, surgiu o jogo pausado/temporizador de Ruiz que se destaca no parar, pensar e passar. Nunca em correr com a bola na tal dimensão física que Jesus quer do lugar (como explicou ao falar sobre Geraldes). Claro que este Tondela não o “mordeu” muito e por isso Ruiz pode soltar o seu “estilo pantera-cor-de-rosa” com classe e espaço. Foi quase como um segundo pivot. Nunca um 8 fórmula-Jesus. Foi, porém, a inteligência equilibradora que não se expõe aos erros. Sem sombra de pecado táctico.