LUCHO E JORGINHO: Diferentes ideias tácticas

10 de Novembro de 2006

LUCHO E JORGINHO Diferentes ideias tácticas

Numa possível opção táctica, o principal beneficiado da lesão de Anderson, poderá ser Lucho, pois, tacticamente, a razão para estar mais apagado em relação à época passada, reside, sobretudo, nas suas maiores responsabilidades defensivas actuais. Com Adriaanse, Lucho era, no trio do meio campo com Assunção e R. Meireles, quem se soltava mais a atacar.

Esta época, com a explosão de Anderson, Lucho recuou e passou a ter maior disciplina posicional para a equipa não se desequilibrar defensivamente após perda da bola. Sem Anderson, poderá resgatar alguma dessa liberdade de transição defesa-ataque, como se viu em Hamburgo. Como decide quase sempre bem, no passe e remate, no avanço e recuo, no acelerar ou abrandar jogo, poderá, apesar de não ter a criatividade que se exige a um médio que jogue (ou apareça de forma constante) na segunda linha do meio-campo, ser o jogador mais indicado para essa função. Jorginho é um jogador diferente (ver quadro seguinte) e Ibson merece análise mais profunda.

COMO JOGOU O PORTO EM SETUBAL: A entrada de Jorginho

LUCHO E JORGINHO Diferentes ideias tácticasEm Setúbal, Jesualdo apostou em Jorginho para actuar no espaço antes de Anderson, a zona interior esquerda do meio campo, com liberdade para entrar desde trás. A dinâmica de movimentos foi, no entanto, diferente e teve implicação no conjunto. Assim, enquanto Anderson fazia a troca posicional com um extremo (Lisandro), rompendo pelo flanco, quando aquele flectia no terreno e abria espaço na faixa, desta vez, jogando Quaresma na direita, mais vertical para dar profundidade ai flanco, Jorginho jogou mais interior, desequilibrando em zonas centrais, quer no passe, quer a acelerar jogo. Tal troca posicional passou para a direita, onde Lisandro flectia para perto de Postiga, abrindo o corredor para a subida de Bosingwa que surgia, a atacar, na posição do extremo.