MUNDIAL SUB-20 2015 Dia 3

21 de Junho de 2015

A equação dos dois nº8

Esta é uma seleção por quem dá vontade de torcer. E, no entanto, não é uma seleção fácil de se gostar à primeira. Dá sempre a sensação de poder ganhar o jogo, mas ao mesmo tempo, dá a ideia de que nunca o vai verdadeiramente controlar. Senti isso durante muito tempo contra o Senegal.
Não tem um jogo apoiado por natureza (sem posse pela posse), mas penso que mais do que intencional, tal resulta da distância a que ficam as diferentes linhas do meio-campo em 4x3x3. É, porém, uma equipa sempre perigosa, porque percebe esse vácuo tático e joga logo em profundidade, metendo a bola com facilidade nos últimos 30 metros, onde estão sempre quatro avançados (3+ Rony Lopes) com sede de protagonismo, sobretudo os alas Gelson Martins-Gonçalo, e apostam nisso em todas as jogadas.
Volta-se a olhar para o meio-campo e vê-se que tudo melhora à medida que Guzzo avança no terreno. É o jogador que constrói melhor, mas joga demasiado atrás ou então pega na bola demasiado... atrás, não sendo um 8 rotativo, mas sim um 8 mais de toque.
Por isso, a altura em que senti o jogo controlado foi quando, aos 70 minutos, saiu Rony e o meio-campo passou a um 1x2 puro, com Guzzo a ter outro... 8 ao lado, Chico Ramos. As linhas uniram-se imediatamente. A irreverência da seleção ganhava coesão táctica.

 

André Silva, nº9 de verdade

Devo confessar, gosto muito deste nº9 de Portugal. André Silva. Não convêm é fazer muito barulho à volta dele para não assustar o seu crescimento/maturação de ponta-de-lança num futebol que não tem... pontas-de-lança.
Mesmo quando falha golos acontece porque estava no sitio certo para finalizar. E isso aconteceu mesmo à entrada da pequena área.
Ou quando faz um belo gesto de cabeça em rotação, no coração da área, confirmando o que dá logo sensação de ter, pela forma como se move nessa zona militarizada de defesas, é mesmo verdade. E isso também aconteceu contra o Senegal, no 2-0. A técnica com que trata a bola para resolver problemas diz como também joga (na mesma zona), olhando para a equipa.