GOLOS MÁGICOS

10 de Janeiro de 2007

MOMENTO MÁGICO I: O golo de Quaresma ao Benfica

Momento mágico da primeira volta do campeonato, desenhado pelo Harry Potter do Dragão. Pouco antes, Quaresma já ensaiara o truque de magia, mas o arco da bola sairia um pouco longo. Poucos minutos depois voltaria a ter nova oportunidade. Beneficiando da deficiente marcação zonal feita pelos benfiquistas, que arriscou deixa-lo um para um com Nelson naquela zona (na imagem, o jogador que o persegue, enquanto Petit no interior da área assiste passivamente), Quaresma arrancou (movimento tracejado), travou, simulou, passou a bola para o seu pé direito e executou uma parábola que fez a bola descrever um arco (traço seguido) e entrar junto ao segundo poste. Um poema de golo.

MOMENTO MÁGICO II: O golo de Miccoli em Leiria

MOMENTO MÁGICO I O golo de Quaresma ao BenficaUm lance e um golo que simbolizam o melhor que táctica e tecnicamente o jogo do Benfica ofereceu na primeira volta do campeonato. Principal responsável táctico: Katsouranis. Assumindo-se como médio de segunda linha, surge nas imediações da área a receber a bola e definir o tempo do passe de ruptura, curto em triangulação com Miccoli, principal responsável técnico-artistico pela obra, que, rasgando pela meia-direita (tracejado) recebe a bola nos espaço vazio e, docilmente, faz um chapéu de precisão notável a Fernando. A prova de que o bom futebol, em campo, se desenha através de triângulos e, na fase de conclusão, transforma-se em golos através da classe individual dos finalizadores.