Luís Alberto, controlo e emoção

26 de Outubro de 2020




Aquele passe contra o Borussia de Dortmund da linha lateral para lançar Immobile em profundidade, ainda está a cantar no nosso ouvido.

Ontem, depois de ouvirmos a música da Champions, ele deu-nos mais uma noite de brilho sob as luzes Olímpicas.

Esfera recuperada ao nível da metade do campo.
Corrida com bola no pé até o limite da área. Túnel ao defesa que saía na pressão.
E golaço.
Vejam e revejam.

Agora, digam-me como é bom ver este espanhol jogar.
A verdade é que sempre soubemos que tinha qualidade, mas agora todos os fins de semana, ele mima-nos com algumas jogadas de pôr as mãos na cabeça.

Só de pensar que durante anos o seu incrível repertório foi esquecido por aquela característica desonesta chamada irregularidade.

Agora a música mudou. Sim, não só toma diretrizes, mas dirige pessoalmente a orquestra, tentando balançar o sapato direito em todas as áreas do campo.

Na última temporada, foi incrível. Nesta, cada vez mais divino.

Música, Luís Alberto. O futebol precisa de cada vez mais. O futebol pede.

Pedro Moreira - Recepção Orientada